22

Maio

29

Maio

Filhos do Vento”

Manuel Roberto

No tempo da guerra colonial, havia quem lhes chamasse portugueses suaves, agora, há entre os ex-combatentes quem prefira filhos do vento. Mas os filhos de militares portugueses com mulheres africanas não conhecem esse nome poético.

Na Guiné-Bissau, foram ape­li­da­dos de res­tos de tuga, em Angola, sobras do branco. Não tinham nas­cido, ou ainda eram cri­an­ças, quando os pais dei­xa­ram estes ter­ri­tó­rios. Hoje, andam na casa dos 40 ou 50 anos, mas quando falam do pai por­tu­guês que que­rem conhe­cer é como se vol­tas­sem a ser cri­an­ças, cho­ram enquanto dizem que se sen­tem meia-pessoa, incompletos.

São filhos que os mili­ta­res por­tu­gue­ses do tempo da guerra colo­nial dei­xa­ram para trás.
Estas ima­gens são de auto­ria do foto­jor­na­lista Manuel Roberto e fazem parte de duas repor­ta­gens iné­di­tas divul­ga­das pelo jor­nal Público, de auto­ria de Cata­rina Gomes, com imagens-vídeo de Ricardo Rezende.

Em 2013, a equipa par­tiu para a Guiné-Bissau em busca de filhos dei­xa­dos para trás, tra­ba­lho que foi dis­tin­guido com o Pré­mio Gazeta Mul­ti­mé­dia, pelo Clube dos Jor­na­lis­tas em 2014. Na sequên­cia desta repor­ta­gem foi cri­ada a Asso­ci­a­ção Filhos de Tuga que dei­xou no cemi­té­rio de Bis­sau uma coroa de flo­res ao pai des­co­nhe­cido. Este ano, a mesma equipa foi até Angola em busca de mais filhos. Estas são ima­gens de algu­mas das his­tó­rias des­co­ber­tas nes­tes países.

A expo­si­ção pro­cura dar visi­bi­li­dade a um tema tabu na soci­e­dade por­tu­guesa que tem estado arru­mado numa gaveta há mais de 40 anos. Os ex-combatentes dei­xa­ram filhos em África. Eles exis­tem, são mui­tos, e gos­ta­vam de conhe­cer os seus pais portugueses.

Uma parte da his­tó­ria de Por­tu­gal que tem de ser contada.

Cata­rina Gomes